Foi difícil tomar a decisão de viajar nestas férias, afinal neste 1 ano de Pandemia Corona Vírus vimos muitos sofrerem pela perda de alguém querido, conhecidos morrerem, pessoas passarem por recuperação demorada e muito dolorosa. Além do risco de contaminação, também tem o fato de que o recesso escolar que estava marcado para abril foi antecipado para março e nosso filho está em período de aula ainda que a distância.

Depois de muito refletir chegamos à conclusão de que podíamos viajar para um lugar tranquilo e sem aglomeração deixando o risco praticamente o mesmo que enfrentamos no dia a dia em nossa cidade, fugindo de aglomeração, usando máscara em locais públicos e usando muito álcool em gel e líquido 70%.

Há quase três anos quando passamos mais de 20 dias viajando pelo Sul do Brasil já tínhamos o vontade de conhecer a Serra do Rio do Rastro, já estava até inclusa no roteiro, porém alguns imprevistos fizeram que tivéssemos que deixai-la para uma próxima vez…

Depois de alguma procura encontramos um chalezinho bem tranquilo com uma vista linda na cidade de Orleans com muito verde e animais (bode, égua, patos, gado, codorna, galinha d’angola e muitos pássaros. Fizemos até fogueira numa das noites para aproveitar a vista e as milhares de estrelas.

Ao arrumar as malas tivemos que pensar que apesar de ficarmos hospedados numa cidade baixa, pretendíamos subir a serra e estamos no outono onde geralmente os dias são quentes e as noites frias, então levamos roupas de calor e de frio e podem ter certeza que usamos todas.

De Santo André, SP a Orleans, SC são aproximadamente 900 km o que faríamos em 12 h se não parássemos para nada o que seria impossível, se não fosse pela Pandemia pararíamos um ou dois dias em alguma cidade no meio do caminho para aproveitar e também para minimizar a distancia, porém neste momento quanto menos contato com outras pessoas melhor, então resolvemos encarar a viagem direta mesmo.

Saímos de casa no dia 13 de abril por volta das 3 h da madrugada, fizemos a primeira parada em São José dos Pinhais no Paraná para tomar café da manhã e abastecer por volta das 9:00 h, depois seguimos por mais 3 h e paramos para almoçar as 13:00 h em Itapema em Santa Catarina, numa praia com um lindo mirante. Passamos aproximadamente umas 2:30 h passeando pela praia e voltamos ao nosso trajeto.

Chegamos em Orleans por volta das 18:30 h, apesar de longa a viagem foi tranquila e ainda conseguimos almoçar com uma bela vista para o mar.

Em Orleans fomos direto para o chalé que alugamos para descansar e recarregar as energias para o dia seguinte.

Pontos Turísticos  escolhidos por ordem de visitação

1.  Itapema – SC

2.  Mirante do Encanto

3.  Praia de Itapema

4.  Cabral Restaurante

5.  Serra do Rio do Rastro

6.  Mirante 12

7.  Restaurante Rota 66

8.  Estância Pé da Serra

9.  Cachoeira do Rio do Rastro

10. Serra do Corvo Branco

11. Parque Cascata do Avencal

712. Churrascaria Tradição

13. Gruta do Amaral e Igreja Nossa Senhora de Lourdes

14. Cachoeira do Rio Capivaras Alto

15. Restaurante Chaminé Grill

16. Lohn Bier

17. Igreja Matriz Santa Otília

18. Esculturas do Paredão

19. Vinícola Bianco

20. Pub Big Jack

21. Serra do Rio do Rastro

22. Bom Jardim da Serra

23. Mirante da Serra do Rio do Rastro

24. Cânion da Ronda

25. Parque Eólico

26. Cascata da Barrinha

27. Churrascaria Tropeiros

28. Boneco de Neve

29. Pousada e Restaurante Bugio da Serra

30. Rio do Rastro Lanches e Loja de Souvenir

31. São Joaquim

32. Mirante Belvedere

33. Casa do Vinho

34. Mirante dos Pinheiros

35. Vinicola D’alture

36. Vinicola Francioni

37. Vinicola Monte Agudo

38. Padaria Ponto do Pão

39. Praça Cesário Amarante

40. Portal da Cidade

41. Urussanga

42. Vinicola Mazon

43. Vinicola de Noni

44. Casa Del Nono

45. Padaria Mazon

46. Pousada Vale dos Figos

1° Dia Itapema – SC

Paramos por volta das 13:00 h em Itapema em Santa Catarina para almoçar, foi sem planejar, não escolhemos a cidade e não teríamos escolhido melhor, se tiver passando pela região vale a pena a parada. A intenção era parar para almoçar num restaurante tranquilo, sem aglomeração e com vista para o mar e a procura do restaurante encontramos um maravilhoso mirante, a entrada é gratuita e a vista é incrível valeu cada degrau que subimos já que o elevador estava desativado por conta da pandemia.

Após o Mirante fizemos caminhada pela areia da praia, molhamos os pés no mar e até pegamos algumas conchinhas, almoçamos no Cabral Restaurante onde pudemos apreciar a vista para o mar.

Depois do almoço, seguimos viagem e chegamos em Orleans por volta das 18:30 h, a viagem foi cansativa então nem saímos para jantar, pedimos uma pizza, abrimos um bom vinho, um refrigerante para nosso filho e aproveitamos para relaxar e recarregar nossas energias para curtir o dia seguinte.

2° Dia Lauro Muller – SC

Finalmente iríamos conhecer a Serra do Rio do Rastro, então logo após o café seguimos para Lauro Muller, porém, tivemos a triste surpresa de encontrar a Serra fechada para manutenção de segunda a sexta das 7 as 18 h, por sorte ficaríamos mais alguns dias e teríamos a oportunidade de voltar no final de semana. Como parte do trajeto estava livre paramos durante um bom tempo na Lanchonete Mirante 12 que apesar de fechada tem uma vista linda para as montanhas.

Sem muita opção com a Serra Fechada, paramos para almoçar no Restaurante Rota 66 que fica na Rodovia SC 390 em Santa Bárbara, onde cobram por pessoa, apesar de pouca variedade a comida é gostosa, por indicação local resolvemos visitar a Cachoeira do Rio do Rastro por uma trilha que fica na Pousada Estância Pé da Serra não achamos na internet o endereço, mas nosso GPS achou só pelo nome, na Rodovia SC 390 há placa indicando a entrada para pousada e dali até ela há algumas outras placas, é fácil acha-la, chegando lá descobrimos que só funciona aos finais de semana onde além da trilha alugam de quadriculo e cavalos, então se optar por visita-la lembre-se de ir num final de semana.

Como não sabíamos que estava fechada e a portaria estava aberta para um evento particular, entramos. Fomos recebidos por um funcionário que nos permitiu fazer a trilha até a cachoeira, segundo ele tem 8 km ida e volta, chegamos a pousada as 13:30 h, até começarmos a trilha já eram umas 14 h, até onde fomos a trilha é bonita, bem aberta e se não tivesse chovido no dia anterior estaria bem fácil apesar das várias decidas e subidas, até que chegamos numa parte que por conta da lama tivemos dificuldade de passar, ainda assim insistimos um pouco, as 15:30 h resolvemos voltar sem chegar na cachoeira, de um modo em geral valeu o passeio há flores, pássaros, borboletas, alguns animais e a linda vista das montanhas, no caminho vimos duas quedas de água pequenas. No meu ponto de vista, por tratar-se de trilha longa no meio da mata, apesar do caminho estar bem aberto não deve ser feita sem um guia, não deixem de levar água e vá pela manhã, fomos a tarde e tivemos que voltar antes de chegar a cachoeira por medo de ficar tarde e escuro para voltar. Nosso filho de 10 anos foi conosco e apesar de estar acostumado com trilhas ficou bem cansado então dependendo da criança não aguentará o trajeto as descidas são fáceis, mas as subidas… Rsrsrsrs.

3° Dia Grão Pará – Urubici – SC

Quando visitamos Urubici, há quase 3 anos, visitamos a Serra do Corvo Branco somente na parte alta, não descemos por conta da neblina, desta vez o tempo estava bem aberto e tivemos a oportunidade de subi-la e descê-la aproveitando bem cada detalhe. Uma cena que nunca vou esquecer é caminhões subindo a serra que apesar de curta no máximo 6 km, é estrada de terra, bem íngreme e com curvas muito acentuadas, então sentiam muita dificuldade nas curvas e quase sempre manobravam várias vezes, devido a falta de visão e de espaço batiam constantemente no guardirreio, senti muito medo que caíssem, carros de passeio se não forem rebaixados podem ir tranquilamente, subimos e descemos sem dificuldade com um Sandero 1.0. A vista é incrível tanto na subida como na descida valeu o trajeto.

Aproveitamos que estávamos em Urubici para visitar a parte baixa da Cascata do Avencal que fica numa fica propriedade particular, onde é cobrada taxa de R$ 15,00 por adulto, o inicio da trilha está localizado na Estrada Geral Rio Capoeiras, na bifurcação da empresa de água, siga a direita até o fim passando por várias pousadas, ela fica próximo a Pousada Estância Cachoeira do Avencal. A trilha até a parte baixa da cachoeira deve ter no máximo 2 km ida e volta, parte do caminho é bem fácil, parte considero nível médio devido ser em meio à pedras e ser preciso cuidado para não escorregar. Até mesmo para nosso filho foi tranquilo chegar. Já havíamos visitado a parte alta da cachoeira e decidimos ver a parte baixa desta vez, e na opinião de quem visitou as duas, se tiver oportunidade, visite as duas. A parte alta é bem fácil acesso então para quem tem dificuldade com trilhas vá na parte alta, se você ama trilhas como nós vá na parte baixa ou nas duas. Ficamos ali um bom tempo admirando a queda da água, mais que perfeita. Mais dicas sobre turismo em Urubici vejam meu post Urubici em 2 dias publicado em 18 de fevereiro de 2019.

https://euamoviajar.politics.blog/2019/02/12/urubici-em-2-dias/

Em Urubici como nas demais cidades que visitamos não deixe para almoçar tarde, por volta das 14 h fica difícil achar restaurante aberto. Depois de rodar bastante nas ruas do centro, encontramos quase fechando a Churrascaria Tradição que fica na Av. Adolfo Konder, 2310, onde é cobrado por pessoa, a comida estava boa.

Após o almoço hora de voltar, descemos a Serra bem devagar por segurança e para podermos filmar, paramos em alguns pontos para admirar o máximo possível a natureza.

4° Dia Lauro Muller e Orleans – SC

Em Lauro Muller, próximo a Igreja Nossa Senhora de Lourdes, que estava fechada no momento que a visitamos fica a escadaria que chega a Gruta do Amaral que fica na Estrada Rio Amaral, após descer as escadas encontramos uma cascata, uma pequena gruta, alguns bancos e muita vegetação. Hora de agradecer pelos maravilhosos momentos em família, com saúde e tendo o privilégio de curtir lindas paisagens.

Na sequencia seguimos rumo à Cachoeira do Rio Capivaras Alto, encontramos a dica no site Portal de Turismo de Lauro Muller, como não havia endereço colocamos o bairro Capivara Alto no GPS e fomos. Ao chegar ao bairro não foi tão fácil, tivemos que para quatro vezes para pedir informações, não há qualquer placa indicando o endereço, tivemos sorte que as pessoas que pedimos informações conheciam a cachoeira. Até agora não temos certeza se encontramos a mesma cachoeira do site, mas encontramos uma.

Ela fica numa propriedade particular sem qualquer placa indicando que esteja ali, por sorte o último local que paramos para perguntar foi na casa da cunhada do proprietário que além de informar nos levou até ela, uma pessoa muito simpática, no terreno não há casa então nunca chegaríamos até ela se não tivéssemos sido levados até o início da trilha.

A trilha apesar de estreita em alguns pontos, com cuidado para não escorregar é curta e fácil, não esqueçam o repelente tem muitos borrachudos. A cachoeira é bonita e conseguimos pela rocha chegar atrás da queda.

Paramos para almoçar no Restaurante Chaminé Grill na Rodovia SC 390 ao lado do posto Ipiranga, onde é cobrado por pessoa, havia uma grande variedade de pratos quentes e de salada, sobremesa inclusa. Em minha opinião até este momento da viagem foi melhor restaurante.

Depois paramos um pouco na pracinha para nosso filho brincar.

No caminho de Lauro Muller para Orleans paramos na Cervejaria Lohn Bier que fica na Rodovia SC 390, Km 432, lá pudemos conhecer a história da Cervejaria e conhecer diversas opções de cervejas artesanais.

Já em Orleans paramos na Igreja Matriz Santa Otília, que fica na Rua Aristiliano Ramos, no Centro e novamente aproveitamos para agradecer os momentos maravilhosos, ali bem próximo paramos para apreciar as Esculturas do Paredão que fica na Rua Etiene Galdenti Stwilrski, são esculturas esculpidas em pedras ao ar livre.

Em seguida fomos visitar a Vinícola Bianco, não achamos o endereço pela internet, colocamos o nome no GPS e encontramos facilmente, é um pouco distante da Cidade, pegamos uma pequena parte de trajeto em ruas de terra. Valeu a visita, fomos bem recebidos e conhecemos ótimos vinhos cabernet sauvignon, merlot, cabernet sauvignon reserva e também suco de uva aproveitamos e trouxemos alguns para nossa adega.

À noite saímos para jantar no Pub Big Jack que fica na Rua Antônio da Silva Cascaes, 2.250, ótimo barzinho com música ao vivo e porções bem saborosas. Fomos bem cedo para evitar aglomeração.

5° Dia Bom Jardim da Serra – SC

E o sábado chegou, finalmente fomos visitar a Serra do Rio do Rastro que tem início na cidade de Lauro Muller e fim em Bom Jardim da Serra. Diferente da Serra do Corvo Branco é totalmente asfaltada o que facilita bastante, de curvas íngremes são aproximadamente 6 km bem tranquilos para qualquer carro de passeio. Subimos e descemos bem devagar aproveitando cada detalhe da bela paisagem, filmamos, tiramos fotos, paramos nos mirantes. Apesar da leve garoa não pegamos neblina.

Pena que não há local para parar o carro próximo a cachoeira, aquela mesma que havíamos tentado chegar por trilha partindo da Pousada Estância Pé da Serra, como opção manobramos, voltamos e passamos na frente dela várias vezes até conseguir uma foto legal… só nós mesmos.

Assim que chegando a Bom Jardim da Serra fomos ao Mirante da Serra do Rio do Rastro que fica na SC-390 um pouco após o término da Serra à esquerda, lá além do mirante tem local para foto com o dizer Eu Amo Serra do Rio do Rastro, restaurante e loja de conveniências e lembrancinhas. A vista da Serra é incrível, é um ponto de parada obrigatório. Lá também tivemos a oportunidade de ver alguns quatis que estavam sendo alimentados por alguns turistas.

Em seguida voltamos um pouco e fomos ao Cânion da Ronda que fica logo no final da Serra, na SC-390 numa propriedade particular onde pagamos R$ 10,00 por pessoa, a caminhada até o mirante do Cânion além de curta é fácil, a vista é linda com certeza valeu. Do Cânion conseguimos ver o parque Eólico a distancia, até tiramos foto.

Após o Cânion, resolvemos Visitar o Parque Eólico de perto, ele fica bem próximo ao Cânion, mesma entrada na rodovia SC-390 só seguir mais para frente, dá para ver de longe, infelizmente não havia ninguém na portaria acabamos não visitando…

Na sequencia fomos a Cascata da Barrinha, que fica na SC-390, número 1379 atrás da Churrascaria Cascata, a entrada é ao lado do posto policial, o caminho até a cascata curto e fácil e ela é muito bonita, na entrada há um local para tirar foto com o dizer Eu Amo Bom Jardim da Serra com vista da cachoeira no fundo. Ali também fica o portal da Cidade.

Para o almoço escolhemos à Churrascaria Tropeiros que fica na Rodovia SC 390, Km 123, uma ótima opção já que estava bem vazia, possuem uma boa variedade de pratos quentes e frios e algumas sobremesas.

Depois do almoço paramos na loja de produtos da região Boneco de Neve que fica na Rodovia SC 390, onde compramos queijo, linguiça, salame e pinhão.

Na descida da Serra, além dos mirantes fizemos mais duas paradas, a primeira na Pousada e Restaurante Bugio da Serra apenas para visitar a maravilhosa vista da varando do restaurante, uma boa opção para quem ainda não tiver almoçado, a segunda parada foi na Rio do Rastro Lanches e Loja de Souvenir, devido a grande variedade é uma ótima opção para compra de lembrancinhas ou lanches.

6° Dia São Joaquim – SC

E novamente subimos a Serra do Rio do Rastro rumo a São Joaquim para conhecer alguns vinhos de altitude, por ser domingo selecionamos apenas três vinícolas que estavam abertas, todas três super requintadas, com vinhos de nível elevado e com vinhedo próprio, preparem o bolso porque é impossível comprar um só, muito estranhamos sendo uma cidade turística a maiorias das vinícolas estarem fechada. Nossa primeira parada foi na frente do Parque Snow Valley, que fica na SC-110, 426.

Segunda parada foi no Mirante Belvedere situado na Rua José Jaime Rodrigues, trata-se de um ponto alto ao lado de algumas antenas de telefonia, sinceramente a vista não é muito ampla, em nossa opinião não deveria ser considerado um ponto turístico.

Na sequencia fomos à Casa do Vinho na Rua Ismael Nunes, 07, com certeza valeu a pena, lá fomos muito bem atendidos por um funcionário muito bem preparado e atencioso, provamos alguns vinhos, ouvimos um pouco sobre as vinícolas e os vinhos da região e compramos algumas ótimas opções para nossa adega.

Rumo as vinícolas paramos no Mirante dos Pinheiros na Rodovia SC 114 para quem vem do centro da cidade fica um pouco antes da Vinícola D’alture a esquerda, trata-se de mais um mirante sem ter muito para ver, este pelo menos rendeu algumas fotos.

A primeira Vinícola que paramos foi a D’alture que fica na Rodovia SC 114, Km 302, onde experimentamos um espumante Brut muito bom, tivemos que trazer alguns pra casa…

A Segunda foi a Vinícola Francioni que fica na Rodovia SC- 114, Km 300, quase na frente da Vinícola D’alture a parte externa nos rendeu lindas fotos, os vinhos são muito bons, e trouxemos mais vinhos pra nossa adega…

A terceira foi a Vinicola Monte Agudo que fica na Rodovia SC-438, km 68, outra opção com vinhos muito bons, mais vinhos para nossa adega, no local também funciona um Restaurante.

Como sou muito enjoada com comida, paramos na Padaria Ponto do Pão que fica na Av. Ivo Silveira 404,  Jardim Minuano, onde optei por lanche e os meninos almoço por preço único à vontade.

Após o almoço fomos dar uma volta na Praça Cesário Amarante, muito bonita, vale a pena parar. Nela fica o Centro de Informações Turísticas, para quem precisar de informações ou panfleto da cidade.

E na saída da cidade paramos para tirar foto no portal da cidade que não podia faltar.

7° Dia Urussanga – SC

Não podíamos deixar de conhecer as vinícolas de Urussanga, menos requitados que os vinhos de São Joaquim, porém não menos saborosos. Por tratar-se de Cidade bem próxima a Orleans deixamos para o ultimo dia.

Esta região é conhecida principalmente pelos vinhos feitos com a uva Goethe, que são cultivadas em pouquíssimas cidades brasileiras no Sul de Santa Catarina dentre elas Urussanga e Pedras Grandes. O Vinho Goethe é branco com sabor e aroma bem intensos, encontramos nas opções seco ou suave.

A primeira foi a Vinícola Mazon que fica na Rodovia Genésio Mazon, no local também funciona uma pousada e um restaurante aos finais de semana, fomos muito bem recebidos, provamos alguns vinhos, gostamos muito principalmente do Merlot e mais uma vez compramos alguns para completar nossa adega. O interessante são os objetos antigos expostos nos salão onde fomos atendidos, legal para tirar fotos.

A segunda foi a Vinícola de Noni que fica na Rodovia Genésio Mazon, muito próximo a anterior, lá também tivemos a oportunidade de experimentar alguns vinhos, gostamos bastante do cabernet sauvignon, infelizmente não tinha merlot no dia que a visitamos, a moça que nos atendeu nos disse que em breve iriam produzir malbec, ficamos com muita vontade de voltar para experimenta-lo, quem sabe em breve…

Depois fomos a Vinícola Casa Del Nono que fica na Rua Olivio Gealdini Mariot 79, no Centro, lá fomos atendidos por duas moças com bastante conhecimento sobre a história da região e da Uva Goethe que chegou a Urussanga no final do século XIX trazida pelo italiano Giuseppe Caruso Mac Donald e se adaptou muito bem ao solo da região. Seu cultivo foi praticamente extinto no final do século XX por conta da mineração, pois várias famílias abandonaram as plantações e foram trabalhar nas minas. Em 2005 alguns produtores decidiram voltar a produzir as uvas Goethe e hoje a região é bastante conhecida por esta modalidade de vinho. E depois de tanta explicação tivemos que comprar mais alguns vinhos para nossa adega, agora chega, será que coube no carro?

Paramos para almoçar na Padaria Mazon na Rua Barão do Rio Branco 73, no Centro onde é cobrado valor por pessoa no buffet livre, tem uma ótima variedade de pratos frios e quentes, vale a pena conferir.

E por ultimo já no caminho de volta para Orleans paramos na Pousada Vale dos Figos que fica na Estrada Geral Linha Rio Maior para conhecer a cachoeira, a pousada estava fechada, porém a dona nos permitiu visita-la, caso tenham intenção de visita-la aconselho entrar em contado com a administração da Pousada antes. A pousada é muito bonita e bem cuidada, a cachoeira é perfeita, e de fácil acesso, nem chega a ter trilha, o trajeto até a parte baixa da cachoeira é todo feito por escada.

7° Retorno para Santo André

Saímos de Orleans por volta das 6 h, o trajeto é longo e cansativo, paramos em Curitiba para almoçar e abastecer e depois seguimos direto para casa.

Criei um grupo sobre viagens e turismo, se quiser participar, pode postar fotos, dicas e opções de turismo ou apenas acompanhar as postagens dos colegas. https://www.facebook.com/groups/503711020915824/

Espero que tenham gostado, até a próxima aventura.

Publicado por euamoviajarnaoimportaodestino

Eu sou Lorena, adoro viajar em família para descobrir novos destinos.... Não por acaso, sou autora do blog Eu amo Viajar

Se junte à conversa

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: